quinta-feira, fevereiro 21, 2013

Sem Personagens

Chegámos ao número 100.

A centésima personagem, por ser a número 100 e por tudo o que significa (nomeadamente que vou agora tentar editar esta aventura literária em livro) é proposiadamente uma "não personagem".

É um agradecimento.

Ao longo destes três anos as personagens evoluíram mais do que eu imaginava e tornaram-se num hobbie, numa necessidade, num vício.

Venho aqui para escrever, para vos escrever, para imortalizar uma frase bonita ou um dito curioso, para homenagear as pessoas que me tocam, para explicar as situações que eu não percebo, para exorcizar os meus demónios, para dar asas às minhas fantasias, para explicar a mim e ao mundo que a verdade é uma coisa relativa e que a vida é mais que nada uma coisa aleatória em que todos podemos e não podemos fazer o que entendermos.

Repetir o credo que o que importa é viver. sem medo. E tentando não julgar os outros. Flexibilizar as balizas com que imaginamos que a nossa vida existe. E não ver o mundo a preto e branco porque há uma quantidade extravagante de cores que aparecem quando abrimos esta possibilidade.

E as Personagens evoluíram nestes 3 anos e meio. do tímido reconhecer que muitas das minhas personagens têm um pouco das pessoas que eu conheço ou que são o retrato de alguém num dado momento no tempo, à explícita dedicação de personagens que nem se dão ao trabalho de mudar os nomes dos intervenientes.

As personagens são bocadinhos mais ou menos desconexos do meu universo e dos universos que o circundam.

Eao longo destes três anos e tal, foi-se tornando por demais evidente que a minha imaginação deriva imediatamente da vossa magia, da vossa partilha de coração comigo.

Se são meus amigos, se já falaram comigo se leio os vossos blogues, o mais provável é que aqui esteja mais ou menos camuflado um bocadinho de vós. daquilo que de vós me toca.

E se há três anos o dizia com embaraço, porque não queria que se ofendessem comigo nem que achassem que vos roubava a alma com a fotografia que tirava e partilhava com o mundo, percebi mais tarde que esse era um gesto por norma apreciado.

E foi mais ou menos nessa altura que comecei a escrever personagens não apenas "sobre", mas também "para". E se estes "sobre"'s e "para"'s são por vezes partilhados num email em que se diz "para ti", outras vezes as personagens nascem oficialmente para alguém. outras ainda, as personagens esperam pacientemente uma visita da pessoa que as inspirou, num secreto desejo de serem reconhecidas.

O Personificcionar tornou-se assim em mais do que um blog e passou a ser para mim quase um super poder; o Personificcionar permite-me abraçar as almas dos meus amigos e dos meus leitores. permite-me contar as minhas e as suas histórias, lembrar-lhes que são importantes - que é uma coisa que por vezes esquecemos. permite-me dizer as coisas que não posso ou que não me atrevo. permite-me contribuir. e permite-me agradecer.

E por isto e por tudo o que não cabe aqui: obrigada a todos.

e vemo-nos no lançamento do livro, boa?


3 comentários:

Juscha disse...

Para quando o lançamento do livro? Oxalá não me apanhe de "gatas"....parabéns e enorme sucesso...MERECIDO! <3

mãe disse...

Lindo. Tudo até a músaca.

Xico Teclas disse...

Bonita meta alcançada, sempre até ao sucesso, como é teu apanágio. Parabéns!
Edu